Controle de Qualidade

Controle de Qualidade das células coletadas

A BIO CELL é o laboratório pioneiro de células-tronco de animais no Brasil e terceiro laboratório veterinário comercial do mundo. Desenvolvemos um extenso trabalho de pesquisa e desenvolvimento tecnológico para o maior conhecimento das células-tronco produzidas em nossos laboratórios e para o controle de qualidade de seus processos e produtos, reconhecidos internacionalmente.

 

Nosso Controle de Qualidade abrange 4 etapas:

  • Análise do Grau de Pureza: certifica que as células cultivadas são efetivamente células-tronco e permite quantificá-las
  • Análise da Funcionalidade: certifica que as células-tronco cultivadas são capazes de agir como células indiferenciadas
  • Análise da Viabilidade Celular: certifica que nosso sistema de transporte de células-tronco faz com que as células cheguem vivas até o paciente
  • Análise da Diferenciação Celular: teste adicional para garantir que as células-tronco são capazes de se transformar em outros tipos de células

 

Sabendo que se trata de um produto especial, que requer cuidados específicos, a BIO CELL avalia e testa previamente 100% dos meios de cultura produzidos e os reagentes adquiridos.

 

Todas as etapas de processamento das células-tronco, desde a produção do kit de coleta de tecido adiposo até o envio das células-tronco para o médico veterinário proceder, foram minuciosamente detalhadas e trabalhadas para assegurar um resultado robusto, com risco mínimo para o paciente.

 

Em parceria com a nossa empresa-irmã MOFA Global, sediada próximo a Madison-WI, EUA, desenvolvemos um painel para a caracterização molecular das células-tronco pela citometria de fluxo com quantificação por imagem. Os resultados deste trabalho foram apresentados em destaque no 12th Reunião Anual da ISSCR (International Society for Stem Cell Research), em Vancouver–CA, no mês de junho de 2014. Neste painel obtivemos respostas para as perguntas abaixo:

• Qual o grau de pureza de células-tronco para a população celular?

• As células-tronco obtidas são funcionais, ou seja, são capazes de produzir citoquinas e se diferenciar em células somáticas?

• Qual viabilidade celular obtemos ao fi nal do transporte, ou seja, no momento da aplicação das células-tronco?

 

Atualmente, todas estas perguntas apresentam respostas, sendo as metodologias empregadas respaldadas pelos principais organismos internacionais de estudos em células-tronco, como o ISSCR e o ISCT (International Society for Cellular Therapy).

Análise do Grau de Pureza Celular

Para quantificarmos e termos a certeza do grau de pureza encontrado na população celular, incubamos uma amostra de 1.000.000 células com anticorpos específicos, capazes de identificar proteínas que são encontradas apenas em células-tronco, chamadas marcadores moleculares. Essas proteínas, CD44, CD29, CD90, CD105, são encontradas na membrana plasmática das células-tronco com funções específicas. Assim, ao final do processamento, o Citômetro de Fluxo com Quantificador de Imagem, nos apresenta de forma clara o percentual de células na população que apresentam estas proteínas.

CQ-tabela_0a
CQ-tabela_0b

Análise da Funcionalidade

As células-tronco apresentam capacidade de se diferenciar em células especializadas (somáticas) e também são conhecidas por modular o estresse oxidativo, secretando várias citoquinas e fatores de crescimento. Assim, elas apresentam funções imunomodulatórias, angiogênica, anti-inflamatória e propriedades anti-apoptóticas.

 

Assim, para analisarmos a população celular e quantificarmos o grau de funcionalidade, lançamos mão do uso de anticorpos capazes de identificar marcadores moleculares intracitoplasmáticos, as proteínas SOX2 e OCT3/4, responsáveis pela manutenção do estado indiferenciado das células-tronco. Da mesma forma, a citometria de fluxo com o quantificador por imagem é capaz de nos dizer qual a proporção de células indiferenciadas encontramos na população celular.

CQ-tabela1
CQ-tabela2

Análise da Viabilidade Celular

Ao final de um longo transporte, as células-tronco devem manter-se viáveis para o sucesso da terapia celular. Uma simples análise de células vivas versus células mortas não dá a real dimensão da sua viabilidade. A apoptose é um evento de morte celular, sendo este coordenado e irreversível. Estímulos diversos podem deflagrar a apoptose, sem que ocorra qualquer mudança das características morfológicas da célula. Entretanto, é possível identificar as células apoptóticas em uma população celular através do uso de marcadores moleculares específicos e corantes de DNA, utilizando para tanto a citometria de fluxo.

CQ-tabela3

Análise da Diferenciação Celular

Com um teste adicional qualitativo, paralelamente ao processo de expansão celular, induzimos quimicamente a diferenciação celular para a linhagem osteogênica. Uma vez diferenciadas, conseguimos observar, pela coloração histoquímica, depósitos de cálcio na matriz extracelular e formação de nódulos.

 

Com este painel de caracterização celular, conseguimos aferir o efeito de cada procedimento empregado sobre as células-tronco, desde o protocolo de congelamento de células até o meio de cultura utilizado durante o transporte celular.

 

A BIO CELL vem expandindo suas fronteiras, buscando novos conhecimentos que assegurem a qualidade em seus produtos e serviços.

analis_diferenciacao